Um passo mais próximo do tratamento da fibrose quística com células estaminais

Uma investigação pioneira da Universidade de Adelaide poderá representar uma avanço gigantesco no tratamento de doentes com fibrose quística (FQ). A investigação demonstra que as células que provocam a perturbação genética podem ser substituídas por células saudáveis.

O Dr Nigel Farrow, Investigador Bolseiro da Universidade de Adelaide, descreveu o processo de substituição de células danificadas desenvolvido pela sua equipa:

A nossa investigação aplica-se ao transplante de células estaminais e envolve a colheita de células estaminais adultas a partir dos pulmões dos doentes com FQ, corrigindo-as com terapia genética, e posterior reintrodução dessas células no doente.

As novas células estaminais adultas que foram transplantadas passam os seus genes saudáveis para as "células filhas", gerando uma fonte de regeneração constante das vias aéreas com células saudáveis, combatendo assim o aparecimento da fibrose quística das vias aéreas.

De acordo com a revista científica Stem Cell Research and Therapy, as células estaminais adultas usadas neste transplante são geralmente aplicadas no tratamento de perturbações de imunodeficiência.

Existem em todo o mundo cerca de 70 000 pessoas que sofrem de fibrose quística. Esta perturbação, para a qual não existe atualmente uma cura, afeta as vias aéreas e os pulmões, tendo como efeito uma degradação do estado de saúde e uma redução da esperança de vida. Na Austrália, país onde decorreu a investigação, uma em cada 25 pessoas possui o gene da FQ. Ainda que muitos dos portadores do gene não seja afetados por esta perturbação, podem contudo transmitir o gene para os seus filhos. Se ambos os pais forem portadores do gene, os seus filhos têm 1 em 4 hipóteses de nascer com fibrose quística.

O aperfeiçoamento da técnica de transplante usada pela Universidade de Adelaide poderá trazer melhorias significativas para a vida dos doentes com FQ e acelerar a investigação com vista à descoberta de uma cura permanente.