Ensaio clínico com células estaminais do cordão umbilical para tratar COVID-19

Foi lançado um novo ensaio clínico para testar o potencial tratamento dos sintomas do Covid-19 com MSCs (sigla em Inglês para células estaminais mesenquimais) derivadas do cordão umbilical. O ensaio clínico, que recebeu autorização imediata da FDA, envolverá 24 pacientes Covid-19.

Liderado por uma equipa internacional de cientistas, o primeiro passo será testar a segurança e a eficácia da infusão, nos pacientes, de MSCs, derivadas do cordão umbilical, na interrupção da inflamação pulmonar grave e o desconforto respiratório, associadas ao Covid-19.

As MSCs são o foco deste estudo, devido às suas propriedades anti-inflamatórias, antibacterianas e antivirais. Como o principal pesquisador do estudo, o Dr. Camillo Ricordi, explica:

Estas são células que podem detetar lesões nos tecidos e promover a sua reparação e regeneração, portanto é uma função de cura.

Dr. Ricordi enfatizou o quão crucial poderá ser o papel destas células no combate ao vírus:

Não há tempo a perder ... Os pacientes que morrem de COVID-19 têm um tempo médio de apenas 10 dias entre os primeiros sintomas e a morte. Em casos graves, os níveis de oxigênio na corrente sanguínea diminuem drasticamente e a incapacidade de respirar empurra os pacientes para a o fim muito rapidamente; qualquer intervenção que possa impedir essa trajetória seria altamente desejável.

Este ensaio clínico com células estaminais será realizado no Sistema de Saúde da Universidade de Miami e no Sistema de Saúde Jackson, EUA. A colaborar com o Dr. Ricordi, estará uma equipa multidisciplinar de especialistas de todo o mundo, aplicando a sua experiência em doenças infeciosas, produtos celulares, medicina pulmonar e cuidados intensivos.

A Cure Alliance - um grupo sem fins lucrativos de cientistas e inovadores - patrocinará o ensaio clínico e compartilhará o protocolo com instituições acadêmicas de todo o mundo, para incentivar mais testes e acelerar o caminho para uma vacina. Com níveis tão altos de empenho médico e acadêmico, os resultados deste estudo são esperados nas próximas semanas.

Há muito que as propriedades das células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical são conhecidas, e a FDA já havia autorizado ensaios clínicos com MSCs derivadas do cordão umbilical para o tratamento de diabetes tipo 1 e doença de Alzheimer - ambos na Universidade de Miami.

O que são células estaminais mesenquimais?
As MSCs (células estaminais mesenquimais) são um tipo de células especializadas encontradas no tecido do cordão umbilical, na polpa dentária e na medula óssea. Estas células têm a capacidade de reparar e substituir tecido muscular danificado, osso, gordura e cartilagem em todo o corpo humano. Esta extraordinária capacidade terapêutica faz das MSCs uma fonte promissora de tratamento para uma variedade de doenças e lesões.

As MSCs estão presentes em mais de 1.000 estudos para doenças degenerativas, como Parkinson, Alzheimer e Doenças do Neurónio Motor, assim como de lesões nos tecidos, como insuficiência hepática, doenças cardíacas e queimaduras. O tecido do cordão umbilical e a polpa dentária são fontes ricas de MSCs, cuja colheita é indolor e completamente não invasiva.

A Future Health Biobank, é um banco inglês especializado no processamento e criopreservação de células estaminais, que conta já com 18 anos de experiência. Para além da colheita de células do cordão umbilical e do tecido adiposo, apresenta o serviço inovador de colheita de células estaminais da polpa dentária, onde são encontradas células mesenquimais. Saiba mais sobre o nosso serviço de criopreservação de células estaminais do cordão umbilical e de células da polpa dentária.

Referências:
www.newswise.com/coronavirus/